Reflexões e Pontos de vista…

Reconhecer que todos e cada um de nós tem apenas um único ponto de vista, e um único ponto de referência para perceber, tentar entender, e interagir com o universo…

Essa é uma proposição essencial, para o processo de individuação/auto-conhecimento (Ou Iluminação. Mais sobre isso outra hora), embora difícil de alcançar e até perigoso de encarar…

Corremos o risco de tornarmo-nos egoístas/egocêntricos em excesso, mesmo que, em essência, esse reconhecimento implique em nos descobrirmos nesse estado!

Como sempre, o excesso, ou falta, são os verdadeiros “pecados“… Falta de perspectiva, principalmente, neste caso…

Perspectiva é necessária para entender que por ser impossível “colocar-se no lugar” dos outros, simplesmente por não sermos outros e sim, nós, temos que compreender as diferenças de como os outros lidam com as situações e sentimentos, saber que eles também não podem “imaginar-se em nossa situação” e que portanto, não podemos “cobrar” esse ou aquele comportamento ou posição, nem ser cobrados em troca, em situações de cunho pessoal…

Não é lógico, ou sensível, querer impor padrões (salvo, claro, o princípio básico de não interferir na vontade alheia, sem necessidade) relativos a prazer, ou felicidade…

O que me dá prazer, pode ser entediante pra você…

O que me traz felicidade, pode ser indiferente, ou dispensável para outrem…

Não há “receitas de bolo“, as possibilidades são infinitas, e talvez seja esse o problema: ainda temos a “mentalidade de aldeia” (como citei em um dos últimos posts do predecessor deste blog), talvez pensar nas possibilidades infindas, na diversidade que a (também nossa) Natureza pede, seja assustador e por isso tendemos a criar “padrões aceitáveis“, esperados e tranqüilizadores, que paradoxalmente são alimentados por nossa natureza egocêntrica, que em uma de suas facetas, clama por controle, que exercemos mutuamente uns sobre os outros, seguindo esses “padrões“…

Bem… só pensando…

Anúncios

Os comentários estão desativados.