Desconstruindo Lee (II)

Há cerca de 20 anos, eu perdi alguém

De uma forma brutal, sem sentido, sem necessidade. Alguém destruiu sua vida (ou pelo menos assim espero, que a Deusa me perdoe) e eu fiquei sem ela em minha…

Sinal fechado para os automotores; ela atravessando na faixa; ônibus avançando o sinal, por detrás… dá para entender, não?

Fui uma das últimas pessoas (até onde sei) a falar com ela… E uma das primeiras a saber, no dia seguinte, de sua partida…

Fui ao funeral, mas não quis ver o corpo… Este não me diria nada. Sua lembrança alegre, “descolada” com diz-se hoje, dizia e diz muito…

Don’t know what you got (till it’s gone)” – não sabes o que tem (até que se vai) – nunca soou mais verdadeiro, embora a música do Cinderella seja mais recente que os fatos…

Eu amei a ela… Não o soube, até que ela me faltou… Não sei que forma esse Amor teria tomado, tivéssemos mais tempo…

A única coisa que sei é que carrego esta dor comigo, até hoje…
Mas é algo que me impulsiona… Costumo dizer que ela me trouxe um prenúncio do devir
Dediquei um trabalho a ela (que teve muito sucesso, aliás), e dei-lhe um apelido que somado a seu nome, apontava para um futuro (agora presente) que jamais imaginaria…

Anúncios

2 Respostas para “Desconstruindo Lee (II)