Música na cabeça

Heaven’s On Fire (Kiss)

Heavens On Fire (Live) – Kiss

I look at you and my blood boils hot, I feel my temperature rise
I want it all, give me what you got, there’s hunger in your eyes
I’m getting closer, baby hear me breathe
You know the way to give me what I need
Just let me love you and you’ll never leave

Feel my heat takin’ you higher, burn with me, Heaven’s on fire
Paint the sky with desire, angel fly, Heaven’s on fire

I got a fever ragin’ in my heart, you make me shiver and shake
Baby don’t stop, take it to the top, eat it like a piece of cake
You’re comin’ closer, I can hear you breathe
You drive me crazy when you start to tease
You could bring the devil to his knees

Feel my heat takin’ you higher, burn with me, Heaven’s on fire
Paint the sky with desire, angel fly, Heaven’s on fire

Oho Heaven’s on fire, oho Heaven’s on fire, oho

I’m getting closer, baby hear me breathe
You know the way to give me what I need
Just let me love you and you’ll never leave

Feel my heat takin’ you higher, burn with me, Heaven’s on fire
Paint the sky with desire, angel fly, Heaven’s on fire

Anúncios

Vacivus, Tenebra, Mare, Lux

Caí há tempos.

Uma queda interminável nas sombras do Abismo. Caí porque quis. Lá não era meu lugar. Nunca quis ser iluminado por outra luz.

Primeiro, a escuridão. A tranquilidade, a paz do Vazio. Era bom. Apenas eu.

Mas, eventualmente, o espírito inconformista, questionador me impeliu. “O que haverá além das Sombras?” – pensei – “E como sair do Vazio, sem perder a segurança das Sombras?”.

Reentrei o mundo onde há luz. Comigo vieram as minhas sombras, meus (agora domesticados) demônios interiores e meu Passageiro.

Muito a ver, muito a aprender neste mundo de luz e sombras. Mas nunca me senti vivo. Não por mais que alguns momentos fugazes.

O Vazio, então, embora clamasse por mim e eu por ele, tornou-se também algo dolorido.

Nunca desejei ser iluminado por outra luz, nem tampouco quis iluminar a ninguém. Ainda assim obtive conforto em um Anjo que resolveu me acompanhar.

E de repente, surge você em meio a bruma. E dizes que “minha luz” te faz bem.

E agora, por motivos insondáveis que nem Cronos nem Kali Maa caso saibam, ousam responder, quero ficar, e ser teu luminar.

Ser teu oxigênio. Ser teu Mar.