A vida como ela está

Há tempos não escrevo aqui.

Antes mesmo dos acontecimentos em minha vida que motivaram alteração de endereço (Antes Méier, agora Quintino, via Santa Teresa), já havia reduzido o ritmo.

Agora que parte da poeira baixou, embora ainda esteja em meio a uma nova regeneração gallifreyana (outra, já?), preparando o surgimento do Sexto Lee, volto aqui para um pequeno comentário:

O blog não acabou. Novo endereço, ainda sem internet, significa impossibilidade de postar de forma constante. Aliás, até ontem, nem estava com o PC instalado.

Eu não morri. Se bem que poeticamente, pode-se entender que várias vezes morri nos últimos tempos. Mas enfim, acá estou.

Eu (ainda) posso ser surpreendido por momentos surreais. E o quão surreal foi aquilo?

O Passageiro, aquela sombria figura que sussura de forma ensurdecedora, está absolutamente calado.

As rédeas estão firmes, e em minhas mãos. Os tempos de ficar à mercê dos ventos, ao que parece, se foram.

Ser alfa é interessante, devia ter tentado antes. Entretanto vale a frase de Ché: “Hay que endureserce, pero sin perder la ternura jamás“.

Regeneração dói. Faça isso, mas nunca seguidamente.

Posso ser um Anjo, e ainda ser quem sempre fui.

E é isso.
Eu volto.

Blogged with the Flock Browser

Sombras Perdidas no Tempo

Tenho pensado bastante em minha vida, ultimamente.

Olhando para trás, vejo sombras, refletidas nas paredes dos caminhos de minha existência pregressa. Das sombras que estão dentro de minh’alma, várias já conheço. Trato com elas, com familiaridade, chamo-as de Passageiro.

Outras, tão familiares quanto o Passageiro, me escapam ao controle, não negociam. Teimam elas em me enfrentar, e com o poder que vem do desconhecido, me amedrontam.

Por vezes fico encurralado cercado por estas sombras inoportunas, que me paralizam e me fazem falhar e perder.

Não mais! – digo aos ventos – Não mais me submeterei a elas! Não sou eu um portador de luz? Não sou illuminati? Fiat Lux! Que as sombras, estas sombras perdidas no tempo se ponham em seu lugar!

Hora de descansarem, sombras. Retornem à sua origem. Tenho uma missão a cumprir.

Crônica Obscura: Tempus Fugit

Os Dois eram como a Noite e o Dia, trilhando caminhos similares de formas diferentes e sem encontrarem-se…

Mas um dia (se é que isso faz sentido pra ele) o Tempo, entediado, resolveu brincar e vendo os Dois, cogitou em usá-los em um experimento…

Reservou um dos seus Lugares Perdidos, e fez com que as trilhas Deles se cruzassem nele. O que este curso de colisão traria?

E os Dois viram-se, e separaram-se, e viveram suas vidas.
Mas o Tempo ainda tinha planos. E passaram-se dias, semanas, meses e anos…

E quis o Tempo que os caminhos dos Dois cruzassem novamente.

E então, em algum lugar do Tempo, as brumas se abriram e os Dois, dessa vez não apenas viram-se, mas encontraram-se…

Sed fugit interea fugit irreparabile tempus
(Geórgeas, de Virgílio)

Changing…

Changes

Black Sabbath

I feel unhappy, I feel so sad
I’ve lost the best friend, that I ever had.
She was my woman, I love her so.
But it’s too late now, I’ve let her go.

I’m going through changes.
I’m going through changes.

We shared the years, we shared each day.
In love together, we found a way.
But soon the world, had it’s evil way.
My heart was blinded, love went astray.

I’m going through changes.
I’m going through changes.

It took so long, to realize.
And I can still hear her last goodbyes.
Now all my days, are filled with tears.
Wish I could go back, and change these years.

I’m going through changes.
I’m going through changes.

(Uma tradução)

Não é exatamente o que parece, embora (sim) eu esteja solteiro… Ou seja:

Continua…